By: Kraw Penas.

Sobre Aqueles

por Renan Archer

Para Zamproni, o trabalho não tem sentido se o espectador não estranhar o que está vendo. Algo sempre está fora de escala, encerrado numa forma estranha, presente num espaço inesperado. Mesmo assim, este ambiente paralelo que vemos não tem outra base, senão o real.

É fácil enxergar em suas obras uma pequena parte do cotidiano, algo que tem um apelo visual claro para o nosso imaginário e desperta sinestesicamente compartimentos da memória e dos sentidos. Em “Sobre Aqueles”, os grandes travesseiros vermelhos, mesmo que longe de um ambiente caseiro, são convidativos ao toque, ao aperto.

Mais do que isso, os elementos cotidianos apropriados pelo artista passam a compor uma linguagem: símbolos codificados que atuam sobre nossas expectativas. O que devia estar dentro, confortando e acomodando, passa para fora e cria corpo para encher o espaço; o que é estrutural se torna aparente, saindo do chão para ganhar o ar. Simulando e combinando estes elementos, desvirtuando a expectativa que os encaixa ao mundo real, esta linguagem atua no sentido de criar novas relação entre obra e ambiente. Com isso, o espectador é convidado a perceber novas construções possíveis a partir de objetos que sempre viu, mas nunca desta forma.